Entrada seta Notícias
Notícias / Actividades
Misericórdia de Lamego exalta valor histórico do antigo Mosteiro das Chagas Imprimir e-mail
26-Nov-2019


Um dia pleno de realizações de natureza cultural e religiosa, às quais se associaram muitos irmãos, funcionários e público em geral. A Misericórdia de Lamego viveu deste modo as comemorações do 431º aniversário da fundação do antigo Mosteiro das Chagas, que foi no seu tempo um dos mais importantes conventos existentes em Portugal e do qual apenas sobreviveu, como local de culto, a Igreja com o mesmo nome e o espólio que se mantém à guarda do Museu de Lamego e que chegou ali pela mão do seu primeiro diretor.
O momento mais alto do evento que a maior e mais antiga instituição de solidariedade social do concelho de Lamego preparou para assinalar esta data simbólica, pelo segundo ano consecutivo, foi a atuação musical do grupo vocal “Ançãble”, dedicado sobretudo à Musica Sacra Portuguesa. Este concerto “em louvor de Cristo Rei e da Imaculada Conceição” significou o regresso da Igreja das Chagas como palco de grandes concertos de música erudita e contou com a participação especial do Coro desta Santa Casa, que assinalou recentemente o terceiro aniversário da sua constituição.
No altar da Igreja foram interpretadas várias obras do ancestral canto gregoriano e polifonia portuguesa, uma excelente proposta cultural e uma oportunidade única para o público reviver a atmosfera espiritual vivida nestes mosteiros. A atuação começou com um coral de Sebastian Bach, o maior nome da música barroca e para muitos o maior compositor de todos os tempos.
O programa de comemorações ficou ainda completo com a celebração de uma missa, presidida pelo Bispo da Diocese de Lamego, D. António Couto, e a dinamização de um curso de formação de canto coral, ministrado por um reputado grupo de formadores, com uma vasta experiência na área. Cuidar do aspeto vocal e da técnica de canto, recordando os princípios doutrinais para o canto na liturgia foram os principais temas abordados.

Gozou de grande prestígio
Recorde-se que o Mosteiro das Chagas, foi fundado por ordem de D. António Teles de Menezes, Bispo de Lamego, no antigo Campo do Tablado, e iniciado com um grupo de clarissas, todas irmãs do Bispo, provenientes do Convento de Monchique, da cidade do Porto. Desde o início do século XVI, as famílias nobres da cidade exigiam a fundação de um convento no perímetro urbano para albergar as suas filhas. No entanto, apenas em 1588 se instituiu aqui a primeira casa religiosa feminina, obediente à Ordem de Santa Clara, que perdurou durante mais de 300 anos e que haveria de encerrar as suas portas em 1906. Gozou de grande prestígio e de grandes privilégios e as religiosas destacaram-se pela sua veia artística. O Mosteiro foi depois demolido para ser construído o Liceu Latino Coelho.

 
Ciclo de conferências recorda importância histórica das misericórdias Imprimir e-mail
20-Nov-2019


O ciclo de conferências que a Misericórdia de Lamego promove este ano para assinalar o seu 500º aniversário desvendou, no último sábado à tarde, mais pormenores do longo percurso histórico desta instituição de solidariedade social. Além disso, aprofundou o conhecimento sobre o papel que as misericórdias portuguesas desempenharam desde o final do século XV, nomeadamente na assistência aos pobres e na assistência hospitalar, quando foram fundadas pela Rainha D. Leonor. “Sinto-me cada vez mais orgulhoso por pertencer à Misericórdia de Lamego”, disse no final o Provedor António Marques Luís.
Novamente a convite desta instituição, decorre no próximo sábado, dia 23, a terceira edição desta iniciativa. Desta vez, as intervenções estarão a cargo das investigadoras Ana Isabel Silva (As Misericórdias e a Assistência Hospitalar no Século XIX: do Alto Alentejo a Lamego) e Ana Martins (A Santa Casa em confronto com o Arcebispado: a luta pela provedoria da Misericórdia de Évora: séculos XVIII e XIX). A sessão tem início às 15 horas, no Núcleo Arqueológico do Solar da Porta dos Figos, situado no Bairro do Castelo. A entrada é livre.
No último sábado, durante a segunda edição das conferências "Os 500 anos da Santa Casa da Misericórdia de Lamego: da modernidade à atualidade", Marta Lobo de Araújo abordou o tema “A Misericórdia de Lamego na pena do redactor das Memórias Paroquiais de 1758”, recordando que, neste ano, a instituição já tinha 200 irmãos e dispunha de uma receita anual de 3 contos e 300 mil réis, o que fazia dela uma das mais importantes confrarias do género existentes no país. Outro facto que demonstra a relevância histórica da Misericórdia de Lamego, desde os primórdios da sua fundação, é que na época o hospital que construiu na cidade com a missão de curar doentes foi descrito como “sumptuoso e magnífico”. Além disso, possuía uma hospedaria para prestar assistência aos peregrinos.
A segunda intervenção da tarde esteve a cargo da oradora Alexandra Esteves que abordou “O papel das Misericórdias do distrito de Viana do Castelo na assistência aos presos (séculos XVIII e XIX)”. Recorde-se que uma das obras corporais das misericórdias é “Visitar os presos”.
 
Orçamento da Misericórdia de Lamego prevê redução significativa da despesa Imprimir e-mail
18-Nov-2019



A proposta do Plano de Atividades e Orçamento para 2020 da Santa Casa da Misericórdia de Lamego foi aprovada por unanimidade pelos irmãos que marcaram presença na Assembleia Geral que decorreu na última sexta-feira. A elaboração deste documento teve como princípio orientador a apresentação de várias medidas que visam a redução da despesa e o aumento da receita no âmbito do plano de saneamento financeiro da instituição. O próximo ano será marcado pelo encerramento do programa de comemorações do 500º aniversário da sua fundação e pelo início do funcionamento da nova ala do Lar de Idosos de Arneirós, o maior investimento alguma vez feito por esta instituição em cinco séculos de história. “Um imperativo que há muito se impunha e que é necessário responder com o objetivo de preservar a Visão, a Missão e os Valores da instituição”, afirma o Provedor António Marques Luís.
Nas perspetivas orçamentais, é estimado para 2020 um total de despesas de 2 344 323,07 euros e de receitas 2 145 449,39 euros, com um saldo negativo de 198.873,68 euros, o que significa uma redução de 30% em relação ao valor do défice atual, “por força de um esforço já iniciado e consolidado”.
A rubrica “Custos com o Pessoal” continuará a manter um peso significativo na estrutura das despesas correntes, nomeadamente com uma nova atualização do salário mínimo nacional. No próximo ano, esta instituição deverá assumir mais 46 mil euros de encargos com o aumento do salário mínimo. A atualização dos valores dos acordos que esta Misericórdia tem em vigor com a Segurança Social são insuficientes para cobrir a subida desta despesa. “Tal política só poderia conduzir à asfixia económica e financeira das IPSS que, como é óbvio, não podem refletir no preço dos serviços prestados o aumento dos encargos salariais”, alerta António Marques Luís. O subfinanciamento de algumas valências que apresentam regularmente situações deficitárias é outra razão que explica a existência de défice de exploração corrente.
Os cortes previstos na despesa vão incidir, em particular, na rubrica de fornecimentos e serviços externos e noutro conjunto alargado de despesas. “Procurar-se-á que estas diminuições correspondam a cortes estruturais e não apenas conjunturais”, garante.

Pedida auditoria à União das Misericórdias
Por outro lado, está previsto um aumento de 140 mil euros do lado da receita, devido sobretudo aos valores da comparticipação e subsídios à exploração explicados pelo novo acordo do Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social  (SAAS). Dos 28 protocolos existentes no distrito para a promoção desta valência, apenas dois – Lamego e Viseu – deram origem a novos acordos, tendo as restantes sido encerradas.
Também contribuirá para o crescimento da receita, o incremento dos rendimentos provenientes da exploração da Quinta de Lobrigos, “o que vem demonstrar a mais valia do investimento que vem sendo realizado”, o crescimento da prestação de serviços referente às comparticipações dos utentes e o alargamento do número de utentes do Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) e do Centro de Apoio ao Estudo.
Neste momento, a Misericórdia de Lamego aguarda que seja apresentado um plano de reajustamento económico-financeiro, baseado na auditoria que solicitou à União das Misericórdias Portuguesas. Logo que seja recebida, Marques Luís afirma que os seus resultados serão apresentados em Assembleia-Geral, “com vista à adoção de medidas para uma redução mais sustentada do défice de exploração”.
O Plano de Atividades e Orçamento para 2020 da Santa Casa da Misericórdia de Lamego mereceu ainda o parecer positivo do Conselho Fiscal.

 
Conferências da Misericórdia de Lamego refletem sobre legado histórico Imprimir e-mail
14-Nov-2019


A Misericórdia de Lamego promove durante este fim de semana mais um encontro do ciclo de conferências que organiza este ano para assinalar o 500º aniversário da sua fundação e que visa alargar, ao mesmo tempo, o conhecimento da sociedade portuguesa sobre o legado histórico e a identidade e missão das misericórdias.
A iniciativa agendada para este sábado, dia 16, terá como oradores Marta Lobo de Araújo (A Misericórdia de Lamego na pena do redactor das Memórias Paroquiais de 1758) e Alexandra Esteves (O papel das Misericórdias do distrito de Viana do Castelo na assistência aos presos (séculos XVIII e XIX). De entrada livre, a sessão tem início às 15 horas, no auditório do Núcleo Arqueológico do Solar da Porta dos Figos, no Bairro do Castelo.
Uma semana mais tarde, dia 23, o ciclo de conferências continua com as intervenções das investigadoras Ana Isabel Coelho Silva sobre “As Misericórdias e a Assistência Hospitalar no Século XIX: do Alto Alentejo a Lamego” e Ana Martins sobre “A Santa Casa em confronto com o Arcebispado: a luta pela provedoria da Misericórdia de Évora (séculos XVIII e XIX)”.
 
<< Início < Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 | Seguinte > Final >>

Resultados 57 - 63 de 475

Como Contactar-nos

Santa Casa da Misericórdia de Lamego
Largo Dr. João de Almeida
5100-095 Lamego
Telefone: (+351) 254 612 057
Fax: (+351) 254 614 538
E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o JavaScript terá de estar activado para que possa visualizar o endereço de e-mail